O que é?

Em Alagoas, o setor primário tem grande importância na economia. São tradicionais os plantios de cana-de-açúcar na zona da mata e a produção de leite no semiárido, com a pecuária de corte sendo explorada em todo o estado, de forma complementar às duas atividades principais.

No entanto, os resultados econômicos alcançados na pecuária, tanto de corte como leiteira, tem levado os produtores a buscarem alternativas que permitam aumentar a produtividade, de forma que consigam sobreviver nas atividades. Ao mesmo tempo, as usinas processadoras de cana-de-açúcar estão passando por dificuldades e diminuindo a quantidade de fornecedores, o que leva a uma disponibilidade de terra para a pecuária, com a entrada de novos criadores em busca de alternativas de utilização de suas áreas.

            O Programa Mais Pasto tem como objetivo geral a qualificação da produção pecuária do Estado de Alagoas, através da difusão de conhecimentos sobre utilização racional da pastagem e gestão da propriedade rural.

            Seus objetivos específicos são:

  1. Aproveitar o potencial de produção de pastos do Estado de Alagoas, em cada uma de suas regiões climáticas;
  2. Melhorar os resultados econômicos da propriedade rural;
  3. Demonstrar que a pecuária pode ser alternativa viável de ocupação das terras tradicionalmente ocupadas pela cana-de-açúcar.

            O método utilizado é o fornecimento de consultoria coletiva aos pecuaristas, através de encontros periódicos, de participação obrigatória, na sede do SENAR-AL. Além disso, são feitas visitas mensais à cada propriedade rural, complementadas por contato intenso via telefone e correio eletrônico.

A capacitação gerencial será feita com base nos três orçamentos da pecuária:  orçamento alimentar, orçamento financeiro e orçamento de serviços e mão de obra. Assim, além da utilização de tecnologia, também será trabalhada a gestão do empreendimento em busca da qualificação da produção pecuária, partindo-se de orientação multidisciplinar e com foco na gestão, buscando-se incrementar a geração de renda para os pecuaristas, suas famílias e funcionários.

            Partir-se-á do princípio de que as técnicas para incremento da produção pecuária  estão disponíveis. No entanto, o grau de adoção é baixo, intermitente e incompleto, pois usualmente o pecuarista é levado a pensar que é necessário gastar muito para adotar a intensificação. Para mudar esta realidade, o Programa Mais Pasto manterá os seguintes princípios:

  1. A pastagem é o alimento principal dos ruminantes e o fator de competitividade mais importante da pecuária brasileira
  2. Maximizar a utilização dos recursos existentes nas propriedades
  3. As soluções serão pensadas conforme a necessidade específica de cada pecuarista
  4. Respeito ao ambiente onde a propriedade está inserida (agricultura é a ciência das condições locais, escreveu André Voisin, no longínquo ano de 1957)
  5. Capacitação continuada das pessoas – proprietários e funcionários – envolvidas na produção pecuária
  6. Adoção de enfoque de administração rural na escolha de soluções para a propriedade

São exemplos de tecnologia que não demanda investimento exagerado e ao mesmo tempo torna mais efetiva a produção pecuária – divisão e rotação de pastagens como forma de aumentar a produção de pasto e a carga animal da propriedade; proteção dos mananciais, para melhorar o abastecimento de água aos animais; plantio de pasto com utilização de calcário e/ou gesso incorporados, para aumentar a área de solo explorado pelas raízes; utilização de inseminação artificial para introdução de genética superior; treinamento da mão de obra para execução adequada das tecnologias adotadas na propriedade; entre outras.

Assim, o Programa Mais Pasto, adotou a seguinte sequência de atividades para atingir seus objetivos:

  1. Seminário de sensibilização e explicação do Programa;
  2. Adesão voluntária dos produtores;
  3. Diagnóstico das propriedades rurais;
  4. Estabelecimento de plano de melhorias, ações e investimentos para cada propriedade;
  5. Acompanhamento técnico mensal às propriedades, com visita de instrutor do SENAR-AL;
  6. Capacitação coletiva dos proprietários, através de seminários bimestrais;
  7. Visitas bimestrais por amostragem por parte do consultor sênior do Programa Mais Pasto;
  8. Elaboração de material didático, de acordo com as necessidades e demandas levantadas na etapa de Diagnóstico, e conforme a evolução do programa determina.

Desta forma, foram selecionados dezoito criadores, para compor a turma piloto, que será apoiada pelo Programa Mais Pasto durante vinte e quatro meses.

A pecuária é o setor com maior potencial econômico no Nordeste, mas nunca recebeu atenção de políticas públicas de médio e longo prazo. O SENAR-AL busca, mesmo com seus recursos limitados, reverter esta realidade e servir de exemplo de que existem soluções viáveis e ao alcance de todos. Como demonstra o Programa Mais Pasto, o SENAR-AL acredita que a pecuária alagoana e nordestina, com pastagens bem manejadas, produzirá carne e leite de qualidade para o Brasil e para o mundo, além de prosperidade econômica aos criadores e seus funcionários.