CNA discute mecanização da colheita da palma forrageira

Reunião aconteceu em Brasília

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) realizou na quinta (5) uma reunião com representantes do governo e de entidades de pesquisa para discutir o desenvolvimento de um modelo de colheitadeira para a palma forrageira, planta muito utilizada na pecuária do semiárido nordestino para alimentação dos rebanhos e resistente às condições de seca.

Esta é uma das prioridades das federações de agricultura e pecuária do Nordeste por ser uma demanda dos produtores rurais da região. O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Alagoas (Faeal), Edilson Maia, é o idealizador da colheitadeira. Ele participou das discussões em Brasília e destacou a importância da palma para o semiárido.

“Discutimos este projeto há mais de dois anos e agora estamos iniciando o desenvolvimento da máquina para atender a toda a região. A colheita da palma hoje é manual, um processo difícil, e essa tecnologia proporcionará bem-estar humano e ganhos econômicos”, destaca Maia.

Vice-presidente da Faeal, Edilson Maia é o inventor da colheitadeira

Segundo o vice-presidente da CNA e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa/PB), Mário Borba, a mecanização da colheita vai dar mais eficiência aos produtores e reduzir os custos de produção da cactácea. A ideia é finalizar o projeto ainda neste ano.

“A palma é a matéria-prima principal da pecuária e há grande demanda pelo seu uso. Então, precisamos criar novas tecnologias para a colheita a um custo acessível para pequenos e médios produtores, no sentido de viabilizar a pecuária no semiárido”, afirma Borba, responsável por coordenar as discussões relativas a palma na CNA.

Confira o vídeo: