Faeal pleiteia 180 dias para que irrigantes se adequem à norma da Equatorial

Empresa vinha exigindo adequações antes de fazer a religação da energia elétrica, o que traria prejuízos econômicos para os produtores

Reunião extraordinária do Conselho

Em atendimento a um pleito da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Alagoas – Faeal –, a Equatorial Alagoas vai estipular um prazo para que os produtores rurais que trabalham com irrigação e aquicultura, atividades que possuem ciclo sazonal de utilização de energia elétrica, se adequem à norma técnica de eletrificação de média tensão (NT.002). A norma foi publicada em 2019 e exige apresentação de estudo de viabilidade técnica ou projeto, além de adequação da subestação para a reenergização das unidades produtoras.

O anúncio foi feito na última quarta-feira, 9, durante reunião extraordinário do Conselho de Consumidores da Equatorial Alagoas, e a empresa fornecedora de energia elétrica deve divulgar o período de adequação nos próximos dias. Considerando a proximidade do período de estiagem e a necessidade do retorno das atividades de irrigação, a proposta da Faeal é de que os produtores rurais tenham até 180 dias para se adequar à norma técnica.

“A Equatorial vinha notificando os produtores e exigindo a adequação à norma para que a energia elétrica fosse religada. O processo exige apresentação de nota fiscal do transformador, ensaio de perdas, entre outras medidas que geram custos a esses produtores. Por isso, pleiteamos o prazo, posterior à religação, para que a produção seja garantida e os irrigantes possam assumir tais despesas com mais tranquilidade. A diretoria da Equatorial, mais uma vez, demonstrou sensibilidade em resolver o problema sem prejudicar os produtores”, afirma o presidente da Faeal, Álvaro Almeida.

“Vínhamos acompanhando este caso com preocupação. Sabemos que as exigências são necessárias para garantir a segurança das instalações e da rede elétrica, também atendem às normas da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), mas entendemos que o período de 180 dias é razoável para que todas as adequações sejam providenciadas, sem que haja prejuízos econômicos para os produtores rurais”, reforça José Luiz Soares, representante da Faeal no Conselho de Consumidores da Equatorial Alagoas.

O presidente do Conselho, Antônio Pinto, acredita que o prazo de 180 dias será acatado pela Equatorial Alagoas. “O nosso diálogo tem sido muito produtivo e a diretoria regional da empresa está sempre propensa a atender os nossos pleitos. Nunca recebemos um não. Essas conquistas também comprovam que a Federação da Agricultura e Pecuária tem sido bastante atuante, inclusive, esta última reunião extraordinária, exclusiva sobre as questões que envolvem o setor rural, foi provocada pelo José Luiz e prontamente aceita pela Equatorial”, comenta.