Senar Alagoas presta assistência técnica a apicultores de União dos Palmares

Maria Eduarda Xavier
Estagiária sob supervisão

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar Alagos – iniciou o trabalho de Assistência Técnica e Gerencial – ATeG – para uma turma de 30 apicultores do município de União dos Palmares, zona da mata do estado, a 114 quilômetros da capital Maceió. O objetivo é levar novos conhecimentos para que os produtores rurais possam fortalecer o negócio, gerar mais empregos e renda na região. A assistência se dá por meio de um programa de incentivo, no qual, a cada R$ 1,00 investido pela regional do Senar, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA – investe mais R$ 1,00.

A assistência está em fase inicial, o primeiro passo foi o levantamento de informações técnicas e a criação do inventário de recursos. Nele estão contidas as quantidades de melgueiras, colmeias, macacões, pares de botas e outros itens necessários para a produção.

“Também realizamos o cadastro do produtor na plataforma Sisateg, sistema desenvolvido pela CNA como o intuito de monitorar os dados da assistência técnica e gerencial, onde estão reunidas todas as informações coletadas em campo para o acompanhamento e análise das propriedades atendidas”, comenta o supervisor de ATeG do Senar Alagoas, Sidney Rocha.

Agora, o trabalho está focado no planejamento estratégico produtivo. “Vamos traçar metas para que o produtor aumente sua produtividade e em consequência sua renda. Posteriormente, entraremos na fase de manejo pré-safra, com a troca de cera e a introdução de melgueiras nas caixas que já estão em prontas para iniciar a primeira safra. Elas ficam prontas para a retirada do mel em um tempo de médio de 15 dias, porém, fatores como condições climáticas, dos enxames e o material genético das colméias podem interferir neste processo de produção”, explica o técnico de campo responsável pelos atendimentos, Filipe Cavalcante.

Filipe Cavalcante segurando melgueira

No povoado Sueca, o apicultor Adriano Gomes Ferreira trabalha com a apicultura de forma artesanal, em uma propriedade de difícil acesso. Ele enxerga na presença do técnico de campo do Senar Alagoas uma grande oportunidade de melhorar as técnicas de produção e manejo. “A gente sempre está aprendendo, quando algo está errado, ele nos ensina o certo”, pontua o produtor rural.