Senar e Sebrae alfabetizam 375 trabalhadores rurais em Alagoas

Alfabetização é um dos 300 cursos previstos em convênio de cooperação técnica que busca capacitar mais de 5,5 mil alagoanos em três anos

Aos 59 anos, Zé Pedreiro escreve o próprio nome, mas não reconhece as letras 
Álvaro Müller – Publicado na GazetaWeb
 
Às vésperas de completar 60 anos, José Sebastião dos Santos, o “Zé Pedreiro”, escreve o próprio nome com dificuldade. E só. Não lê, não interpreta, não reconhece uma letra sequer. Não sabe escrever mais nada. Morador de São Luis do Quitunde, município localizado a 54 quilômetros da capital Maceió, Seu Zé começou a trabalhar ainda menino, cortando cana. Nunca frequentou a escola, mas, agora, finalmente, ganhou a oportunidade de se alfabetizar.
 
“Se eu conhecer as letra, vou ler um pouquinho e escrever outras coisa. Sinto muita falta disso, porque se meu pai tivesse me colocado na escola, eu novo, hoje podia ser que eu tivesse numa melhor hora”, reconhece Zé Pedreiro. Ele é um dos 375 alunos do curso de Alfabetização de Jovens e Adultos oferecido em dez municípios alagoanos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar Alagoas –, em parceria com o Sebrae AL.
 
O curso é uma das ações previstas no Convênio de Cooperação Técnica e Financeira 01/2019, firmado entre as duas instituições com o objetivo de viabilizar o projeto de qualificação técnica para o segmento do agronegócio, melhorar o desempenho nas ocupações e ampliar os níveis de produtividade dos pequenos produtores rurais.
 
As aulas começaram nessa segunda-feira, 3, e a duração do curso é de seis meses, numa carga horária de 300 horas. Ao todo, 15 turmas estão distribuídas nos municípios de Arapiraca; Igaci; Igreja Nova; Major Izidoro; Mata Grande; Palmeira dos Índios; Pindoba; Poço das Trincheiras; Santana do Ipanema; e São Luis do Quitunde. Os estudantes foram selecionados pelos professores, que moram nas comunidades onde ministram as aulas.
 

 
“É muito gratificante quando a gente vê um aluno sair daqui sabendo assinar o próprio nome, é uma alegria indescritível”, afirma a professora Maria Nazaré, que leciona para os 25 alunos de São Luís do Quitunde, na Escola Municipal Divino Redentor, povoado Alto da Cohab. Na sala de aula, algumas crianças dividem espaço com os adultos. Acompanham os pais, agricultores que não têm com quem deixar seus filhos, mas não desistem dos estudos.
 
“Essa é uma prova de que a comunidade abraçou o projeto e eu espero que durante esses seis meses essas pessoas saiam daqui alfabetizadas, pois isso gerará outras oportunidades na vida delas”, avalia a mobilizadora do Senar em Quitunde, Eglantine Mendonça.
 
“Ao aplicar uma metodologia de educação profissional voltada para o ensino da leitura, escrita, interpretação e focada para uma ação integrada de releitura do mundo do trabalho, o curso favorece a profissionalização e a inclusão social de trabalhadores rurais sem escolaridade”, ressalta a coordenadora pedagógica do Senar, Graziela Freitas.
 
Turma de Alfabetização de São Luis do Quitunde
Outros cursos
Assinado no último mês de janeiro, o convênio do Sebrae e Senar tem o apoio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Alagoas – Faeal – e prevê a realização de 300 cursos de qualificação profissional e alfabetização para a população do campo, nos 102 municípios alagoanos. A meta é capacitar 5.505 micro e pequenos produtores, trabalhadores rurais e familiares, em três anos.
 
Além da alfabetização, outros treinamentos envolverão diversas áreas, como artesanato; apicultura; avicultura; bovinocultura do leite; ovinocultura; suinocultura; piscicultura; industrialização de doces; laticínios; processamento de mandioca; hortaliças e frutas; olericultura; controle de pragas e doenças; fruticultura; mecanização agrícola; cultura da cana; informática básica; e administração rural.
 
O Senar é responsável pela execução do projeto, o que inclui contratação de instrutores, inscrição dos alunos, realização das capacitações, avaliação dos resultados e prestação de contas. Já o Sebrae, além de repassar recursos financeiros, supervisionará, acompanhará e auxiliará no desenvolvimento dos trabalhos técnicos.
 
O último convênio desta magnitude firmado entre as duas instituições em Alagoas, no ano de 2015, contou com a participação de 5.135 alunos. O índice de aprovação foi superior a 85%.
COMPARTILHAR